Palestina? Este país nunca existiu…


Por Yashiko Sagamori *

Se alguém está seguro de que a Palestina é um país que tem suas raízes registradas pela história, espero que possa responder a umas poucas perguntas básicas a este respeito:

1. Quando foi fundado, e por quem?

2. Quais eram suas fronteiras?

3. Qual era sua capital?

4. Como se chamava suas principais cidades?

5. Quais eram suas bases econômicas?

6. Quais eram as formas de governo?

7. Quem eram seus líderes antes de Arafat?

8. Que idioma falavam?

9. Qual religião predominava?

10. Que classe e como se chamava e qual o valor do dinheiro palestino em qualquer época da história. Qual seu valor perante o dólar americano, o marco alemão, a libra esterlina inglesa, o Yen japonês ou qualquer outra moeda do mundo real?

11. Algum artefato de antigos palestinos que habitarem em Israel no passado foi encontrado?

12. Você conhece alguma biblioteca a onde se poderia encontrar um trabalho de literatura palestina produzido antes de 1967?

13. Como não existe um país chamado Palestina, quem ou o que fez esse país desaparecer, e quando isso ocorreu?

14. Se você crê que esta nação Palestina, foi em algum período da história uma nação orgulhosa e agora se encontra num estado humilhante, poderia contar-nos quando foi isso e enumerar as razões pelas que se sentia orgulhosa?

Agora vem a menos sacástica: Se o que chamamos (“por erro e persistente indução da grande imprensa ocidental”) palestinos, que não são qualquer outra coisa senão árabes genéricos, juntados de todas os países árabes, ou expulsados de alguns países do mundo árabe, e se eles realmente têm uma identidade étnica genuína própria, que lhes dê o direito de autodeterminação, porquê nunca trataram de tornarem-se independentes até que os árabes fossem derrotadoss nas Guerras que eles mesmo iniciaram ou provocaram em 1948 (guerra de Independência), 1956 (guerra de Suez), 1967 (guerra dos Seis Dias), 1968 (guerra Egito/Israel), 1973 (Guerra do Yom Kippur) e em 1982 e 2006 no Líbano?

Espero que ninguém ouse unir ou tenha a tentação de criar algum laço entre os chamados palestinos de hoje com os Filisteus mencionados na Santa Bíblia. Tratar de substituír etimologia por história, não vai encaixar dentro do nível desta conversa.

No mundo real

A verdade salta à vista, os países árabes nunca deixaram de lado o sonho de destruir Israel; Esse sonho ainda hoje os motiva e lhes agradaria meritíssimo. Tendo fracassado tantas vezes em conseguir esse objetivo de forma militar, agora estão tratando de conseguí-lo por meio do terror, chantagem, propaganda enganosa e muitos outros vil artifícios.

Mistura de motivos religiosos e nacionalistas, deram aos árabes motivos para crer que podiam liquidar Israel. Doutrinam suas próprios crianças para a morte e usam seu próprio “povo” como massa de manobra para espetáculos publicitários, para tirar recursos dos alienados ou simplesmente como um mero aglomerado servindo de escudo humano!. Enquanto isto, negociam mais “incentivos” com o Reino Saudita e outros governos árabes em nome da “irmandade islâmica”, e mais recursos do mundo que acreditou em suas mentiras que acabaram se tornando verdade para muitos. E tudo isto para continuar o terror, sacrificando alguns para trazer mais dinheiro e conforto para uma minoria perdulária e assassina. Quanto aos que morrerem, que vão para o paraíso cheio de virgens…

Para que tenhamos paz, esses palestinos têm que se estabelecer nos imensos terrenos desabitados em algum dos 22 países árabes.

Por suposto, isso implicaria no fim do núcleo chamado palestinos. Mas alguém poderia dizer-me os países árabes não os aceitariam. E isto é a mais pura verdade. Primeiro porque os palestinos são instrumentos úteis para deixar Israel sempre acossado e segundo porque esse “povo” educou uma geração de assassinos que poderia comprometer a existência dos próprios países árabes.

No entanto, saiba que somente os próprios árabes os podem parar. E se não os pararem, em pouco tempos os teremos em Miami, Nova York, Los Angeles, Kansas City, Europa e até dentro de nossa sopa. E, mesmo hoje, se as tropas dos Estados Unidos tentarem falar com eles num idioma que eles não entendem, além de não conseguirem nada ainda os levará à cortes marciais, mesmo se não fizerem nada.

Lamento, meu querido leitor, que você e 99% da população deste planeta não se deram conta que já estamos na Terceira Guerra Mundial.

Possivelmente essa guerra começou quando incitados pelo Ayatola Khomeini, muçulmanos fanáticos ocuparam a Embaixada dos Estados Unidos em 1979. E na época o presidente norte-americano falhou miseravelmente ao não dar-lhes uma resposta contundente. Em virtude disto a Terceira Guerra Mundial saiu de entre as páginas do Corán.

Oremos para que as forças do bem vençam esta guerra. Pensando bem, não temos nenhuma outra solução, seja você cristão, judeu, muçulmano… devemos vencer, porque esta guerra é pela Civilização e não pelo Islã.

* Yashico Safamori, historiadora e consultora japonesa de informações tecnologica em New York.

Notas

1. Este artigo foi traduzido do texto publicado pelo site Christian Action for Israel

2. Este artigo foi publicado originalmente no site Arutz Sheva e reproduzido aqui com autorização.

This entry was posted in History and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

5 Responses to Palestina? Este país nunca existiu…

  1. Kiara says:

    É… a propaganda sionista deveria ser uma grande escola para os publicitários e marqueteiros…

    Vale tudo para desqualificar um povo, que nunca teve a real chance de ser Estado Independente, porque os britânicos já estavam comprometidos com os sionistas…

    Ainda que nunca tenha sido um Estado, justifica expulsar um povo, fazer uma partilha ilegal, dando a eles a menor porcentagem de terra e os estrangeiros ficarem com mais?!

    • João Oliveira says:

      Ideia políticamente correcta mas desgraçadamente desonesta, nunca ter tido um Estado não é legalidade para usurpar, e já agora, viaje um pouco mais no tempo, anterior à segunda guerra mundial, e não se escude nas decisões de potencias colonizadoras como a Inglaterra para justificar a existencia daquilo que nunca existiu. Mais ainda, a pretensão dos Árabes de Israel não é territorial, nem nunca foi, é religiosa e de aniquilação de Israel, até porque as condições para a autodeterminação foram ditadas por Israel vezes sem conta, se informe !!! Voçê divide o seu País com todas as minorias que lá existem? Não? Talvez devesse… Não ? Logo vi.

  2. Kiara says:

    Só mesmo criar e propagar tantos mitos para justificar o injustificável!

  3. Muito bom este texto!! A verdade tem de ser dita. Propaganda Kiara, é o que o Ocidente está fazendo para tornar a Palestina em Estado. Na verdade, o que hoje chama-se Palestina, era a chamada Filistia. E nela habitavam os Filisteus, que não eram nem judeus e nem árabes. Por promessa divina, Israel conquistou esta área, e passou a habitá-la. O nome foi mudado para Palestina pelo imperador Adriano, que destestava os judeus, para que não houvesse mais vínculo com Israel. Os palestinos são árabes. Porque os países árabes não concendem um pedaço de terra para estes “palestinos”, que possuem a mesma cultura e religião? Simplesmente por ganância e ódio gratuito contra Israel. Por mais que a Palestina se torne um Estado. Esta guerra não vai acabar, pois o que move este povo é o desejo da destruição de Israel. Espero sinceramente que os Palestinos não consigam conquistar os seus objetos na instituição da Palestina como Estado. Pois ela sempre foi de Israel.

  4. FAÇA PARTE DE UM BRASIL SEM ISLAMO-FASCISMO ESCREVENDO A SUA CARTA DE REPUDIO À GLOBO E A QUANTOS MEIOS DE COMUNICAÇAO VOCÊ PUDER, INCLUSIVE A POLITICOS E MINISTROS DE ESTADO: O Jornal Hoje apresentou uma aula sobre o Oriente Medio ministrado por uma tal Arlene Clemesha [acesse o Jornal Hoje no quadro PROFESSOR JH e prepare-se para o choque da sua vida, no melhor estilo nazi-fascista], que se diz doutora em estudos árabes da USP, mentindo deslavadamente, sem qualquer remorso e provocando, como já é de costume, o ódio onde ele não existe, a desconfiança onde ela não existia e ocupando as mentes e o tempo do povo brasileiro com problemas que não conhecemos a fundo e que para nossa geração não significam absolutamente nada se comparadosa com as centenas de milhares de crianças abandonadas nas ruas jogadas ao craque e à prostituição infantil, que inexistem em Israel. Aliás, em Israel nem se cogita a idéia que alguém possa jogar uma criança no lixo. No Brasil isso não sai dos noticiários. São os palestinos que importam, gente? Quem quiser ver a tal aula é só acessar o meu perfil no FB. E quem quiser saber e divulgar a resposta, é só clicar aqui:http://youtu.be/5uVClOoC530

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s